Marcus Rodrigues foi preso em flagrante; ele já responde por outro crime sexual (Reprodução/TV Bahia)

Em prisão preventiva, Marcus Rodrigues de Souza, 34 anos, suspeito de estuprar uma jovem dentro de uma boate em Jacobina, Centro-Norte do estado, na noite de 31 de dezembro, não confessou o crime, de acordo com seus advogados.

Em nota à imprensa, divulgada nesta sexta-feira (5), os advogados do suspeito afirmam que “Marcus NÃO confessou a prática de estupro (…), até porque não há estupro a ser confessado”.

Na terça-feira (2), a Justiça converteu a prisão em flagrante do suspeito para preventiva. Segundo a Polícia Civil, a conversão ocorreu porque Marcus confessou o crime e, além disso, um laudo pericial também comprovou o estupro.

“O trabalho policial foi exitoso, tanto que a Justiça acatou nossa solicitação para converter em flagrante a prisão preventiva”, afirmou na ocasião Flávio Góis, diretor do Departamento de Polícia do Interior (Depin). Marcus está detido na delegacia de Jacobina.

Segundo o comunicado, assinado por três advogados, “ao ser ouvido pela autoridade policial, [Marcus] expressamente negou a acusação e esclareceu que, em local público, manteve contato íntimo com a senhorita C.S.B, mediante seu livre consentimento”.

Ainda conforme a nota, “as filmagens das câmeras de segurança são claras ao demonstrar que Marcus e C.S.B aparecem de mãos dadas, ela o acompanhando livremente. Estas imagens são absolutamente incompatíveis com a acusação de estupro”, continua o comunicado.

Correio da Bahia