Ex-presidente depôs ao juiz da Lava Jato nesta quinta-feira em ação penal que tem o ex-presidente Lula entre os réus

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso depôs na manhã desta quinta-feira ao juiz federal Sergio Moro como testemunha de defesa na ação penal que tem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no banco dos réus pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No depoimento a Moro, feito por videoconferência, FHC negou saber, enquanto presidente, da atuação do cartel de empreiteiras descoberto pela Operação Lava Jato na Petrobras. O tucano foi arrolado como testemunha pela defesa do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, também réu na Lava Jato.

“Nunca houve nenhuma afirmação efetiva de cartelização ou coisa que o valha, pode ter havido. O presidente da República não sabe de tudo que acontece” respondeu FHC a Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula.

O defensor do petista citou a delação premiada do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, que afirma que o cartel que fraudava contratos na estatal foi criado durante o governo de FHC. “Não, nem conheço esse senhor, não tenho a menor ideia, o presidente da República não pode saber o que está acontecendo com todas as pessoas. É um procedimento incorreto de pessoas, que deve ser combatido”, disse o tucano.

Questionado por Sergio Moro se teria havido doações não registradas ao Instituto Fernando Henrique Cardoso, FHC respondeu que “não, não, não, isso é absolutamente impossível. Absolutamente impossível. Eu pessoalmente não saberia dizer ao senhor quem deu quanto, eu não sei, mas está tudo registrado. O conselho fiscal vai lá, temos Conselho a quem prestamos contas. Não tem nada por fora, zero, não existe tal hipótese”