Para a Organização Mundial da Saúde, a queda pode estar relacionada com o fim do verão. A organização alerta também para o aumento significativo de casos na Europa.

Mosquito Aedes aegypti no laboratório Oxitec em Campinas (SP)
Para a OMS, a possibilidade de uma transmissão local e prováveis transmissões por via sexual poderão causar um aumento significativo no número de casos e de complicações médicas ligadas ao zika na Europa(Paulo Whitaker/Reuters)

A epidemia de zika está claramente em regressão no Brasil, afirmou nesta segunda-feira (25) a Organização Mundial da Saúde (OMS). Para a entidade, a queda provavelmente está relacionada com o fim do verão. No entanto, é impossível saber se haverá uma reativação do vírus no futuro.

“A epidemia está em uma fase descendente no Brasil. O mesmo acontece na Colômbia e Cabo Verde”, afirmou Marie-Paule Kieny, subdiretora-geral da OMS, em coletiva de imprensa em Paris.

A organização também alertou para a possibilidade de um aumento significativo no número de casos de infecção pelo vírus na Europa. Segundo Marie-Paule, a possibilidade de uma transmissão local, com a chegada dos mosquitos à Europa e prováveis transmissões por via sexual, poderão se traduzir num aumento significativo do número de pessoas infectadas pelo zika e de complicações médicas ligadas ao vírus.

Publicidade

De acordo com a subdiretora da OMS, duas espécies de mosquito Aedes – aegypti e albopictus – conhecidas por transmitir o vírus zika, vão começar a circular na Europa, à medida que “as temperaturas começarem a subir.”