Operação Beryllo foi realizada em Campo Formoso, Senhor do Bonfim e RJ.
Investigação aponta que pedras extraídas no país são levadas para a Ásia.

Pedras encontradas pela PF durante a Operação(Foto divulgação Polícia Federal)

A Operação Beryllo, conduzida pela Polícia Federal nesta quarta-feira (5), foi finalizada com a prisão de 21 de pessoas, realizadas nas cidades da Bahia e do Rio de Janeiro. De acordo com o órgão, 13 pessoas foram detidas em Campo Formoso, uma em Senhor do Bonfim, ambas no norte do estado, e outras sete no Rio de Janeiro.

Dezenove dessas prisões já tinham sido cumpridas no início da manhã desta quarta. Os suspeitos atuam em um esquema de comércio ilegal de pedras preciosas. Estava previsto o cumprimento de 24 mandados de prisão temporária e 32 de busca e apreensão nas cidades. Foram apreendidos oito carros de luxo, além de pedras preciosas e documentos.

De acordo com a Polícia Federal, uma quadrilha atua na extração e exportação de pedras como citrino, ametista e esmeralda, que eram enviadas de forma irregular para países da Ásia. O comércio era realizado por meio de empresas localizadas no Rio de Janeiro.

A Receita Federal apoia a operação, já que documentos fiscais seriam emitidos pela Inspetoria da Secretaria da Fazenda do Estado em Senhor do Bonfim sem que fossem declarados os valores reais da transação. A Polícia Federal não sabe o valor dos tributos sonegados, mas estima que cheguem à casa dos milhões de reais. O prejuízo aos cofres públicos será apurado por meio da análise do material apreendido.

O grupo pode ser autuado por crimes ambientais, usurpação de patrimônio público da União, crimes tributários, descaminho, falsidade ideológica, receptação, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

G1 Bahia