O reitor da Universidade Federal do Vale do São Francisco, Julianeli Tolentino de Lima viajou a Portugal na última quarta-feira (31) para assinatura de convênios de cooperação acadêmica com cinco universidades daquele país (Porto, Lisboa, Nova Lisboa, Açores, e Trás-os-Montes e Alto Douro). Julianeli também irá a Universidade de Évora para ampliação de parcerias já existentes, visando outras modalidades de cooperação para o desenvolvimento de projetos conjuntos. A iniciativa atende à proposta de internacionalização da Univasf, concebida pela atual política de gestão com apoio da Assessoria de Relações Interinstitucionais e Internacionais, vinculada à Reitoria.

De acordo com o assessor de Relações Interinstitucionais e Internacionais, professor Alexsandro Machado, as parcerias da Univasf com instituições universitárias estrangeiras foram intensificadas e fortalecidas este ano. Além de a universidade já encaminhar estudantes para intercâmbio internacional pelo Programa Ciências sem Fronteiras, outros convênios com instituições dos Estados Unidos, Inglaterra, França, Itália, Alemanha, Noruega e Argentina deverão ser firmados até 2014. Ele destaca que a Univasf receberá este mês, os primeiros estudantes estrangeiros, oriundos da França, e antecipa que também deverá atuar junto ao Programa de Estudantes – Convênio de Graduação (PEC-G), promovido pelos Ministérios da Educação e das Relações Exteriores. As primeiras ações da Univasf com o PEC-G deverão ser concretizadas nos próximos dois anos, inicialmente, com universidades da África.

O reitor avalia que o processo de internacionalização das universidades brasileiras teve um avanço importante com a criação de programas de incentivo à mobilidade estudantil, a exemplo do Ciência sem Fronteiras, destacado pelo professor Alexsandro Machado. O reitor também chama atenção para outras modalidades de apoio que considera essenciais, sobretudo para universidades afastadas dos grandes centros urbanos. Ele cita a necessidade de investimentos para dotação de infraestrutura que possibilite a criação e consolidação de uma base científica que seja capaz de atrair pesquisadores para o interior do país e que lhes ofereça recursos de fixação nessas regiões. “A internacionalização do ensino é imprescindível para que tenhamos competitividade acadêmica, mas é necessário que haja um esforço conjunto do Estado, governos e instituições para que possamos criar um ambiente favorável que possibilite a inserção de nossos alunos e docentes em espaços de excelência e também possamos oferecer a contrapartida, recebendo estudantes e profissionais do exterior. Estamos trabalhando para abertura da nossa universidade, para que ela se torne um destino atrativo para estudantes e professores do Brasil, mas também de outros países”, ressaltou.

Outro desafio apontado por Julianeli é a questão linguística. Na avaliação dele, a aquisição de competências em língua estrangeira deve ser tratada também como prioridade. “A formação de nossos estudantes em outros idiomas, é sem dúvida, um desafio imediato para o país, e que teremos que superar com políticas de incentivo nesta área, voltadas ao ensino superior, mas também dirigidas ao ensino médio, porque sem essa competência reduzimos a nossa capacidade de atuação fora do país e de interação com outras culturas”, avaliou.

Durante os dez dias de permanência em Portugal o reitor fará visitas de acompanhamento institucional aos estudantes da Univasf que estão em intercâmbio acadêmico pelo Programa Ciência sem Fronteiras, na universidade de Lisboa, e aos professores, em doutoramento, na Universidade de Évora.

A agenda de reuniões, organizada pela Assessoria de Relações Interinstitucionais e Internacionais será iniciada na Universidade do Porto, no dia 2 de novembro, e concluída no sábado (10/11), na Universidade de Açores. Conforme Julianeli, a sua estada em Portugal também será uma oportunidade de divulgação do sertão nordestino com o livro ‘Flora das Caatingas do Rio São Francisco’ que ele levará, pessoalmente, para os reitores das universidades com os quais vai estar. Os seis exemplares foram cedidos pelo organizador e também autor, professor da Univasf, José Alves de Siqueira Filho. “A obra do professor José Alves é uma referência da capacidade de nossos pesquisadores, do potencial de nossa região e da nossa motivação para superar desafios; terei grande satisfação de poder oferecer este presente aos reitores das universidades com as quais firmaremos convênio”, disse Julianeli.

Klene Barreto de Aquino