Fica difícil, amigos e amigas, explicar uma derrota, seja na vida, caminhada, família, futebol….O termo por si só, já é complexo e relativo!
Infelizmente não tenho pleno e total conhecimento dos anais internos da equipe do Botafogo bonfinense, entendo como luta, perseverarão, superação e dedicação, mesmo com poucos recursos, recursos estes até que foram aparecendo mais gradativamente, a partir do momento que o time começou a deslanchar no cenário midiático e sobretudo dos resultados positivo.
Lidar com gente, exposição, e por que não um poder de aparecimento (mídia, TV, jornais, entrevistas, assédio) nem todos e todas estão preparados (as) para tal, evidentemente, que não quero dizer que foi isto que influenciou e determinou a não vitória e não classificação!
Depois de entrevistas, papos ali, papos acolá… Nota-se que fugiu um pouco as rédeas do controle psíquico emocional e as vaidades humanas acabam aparecendo.
Determinadas empreitadas na vida e da vida, ninguém ganha sozinho ou sozinha, ninguém caminha ou galga degraus de ascensão sozinhos. Precisamos do apoio, do conversar, do estimulo e solidariedade e em todos os âmbitos da vida!
O que se evidencia, é que na última e principal cartada do Botafogo bonfinense, faltou maturidade, experiência, pés no chão, mas, sobretudo, humildade, do sentar, analisar, conversar e expor os prós, contras e fatores determinantes, que por certo faltaram para se chegar ao pódio. Não é hora de atirar-se, atirarmos pedras neste ou aquele, mas de, como homens de bem e civilizados, apararem as arestas, resolverem pendências, reassumirem compromissos e não mancharem a história do próprio clube, emprestado ou dado a nós, e nem também macularem suas vidas, currículos e caminhadas.
De tudo na vida, tiramos proveitos, para a caminhada e projetos futuros, a vida não só se resume a sorriso, gargalhadas, vitórias e tapinhas bajuladoras nas costas. Dos erros tiramos grandes e verdadeiras lições, quando temos a humildade, discernimento e mais precisamente, Deus no coração, para que esta humildade floresça, germine, brote o reconhecimento do que erramos e futuramente não reincidamos, que saibamos reconhecê-los.
Tivemos falhas pontuais e inequívocas, jogamos mal, o gol que poderia ter decidido tudo, foi descaradamente roubado, e que acabou determinando uma situação diferente da qual queríamos, ansiávamos e sonhávamos independente do time não ter jogado bem, ter sido mexido mal, sem desmerecer o bom trabalho do jovem treinador.
No fundo começo a entender, que “talvez” Senhor do Bonfim, ainda não estivesse preparado, para suportar, ter, e administrar um clube de futebol na divisão principal do futebol da Bahia. Temos que evoluirmos, mais profissionalismo, cercarmo-nos de cuidados junto a tal e famigerada FBF, que influencia negativamente e decisivamente quando do seu infame interesse, maior apoio logístico e financeiro das entidades mais beneficiadas pela presença do futebol profissional (hotéis, restaurantes e bares).
Enfim, ficou a lição, aprendizado e já a saudade do Botafogo , que dificilmente continuará sua trajetória de BOTAFOGO BONFINENSE!


GERALDO DA SILVA NASCIMENTO / ABCD 1208 – RPR 8186-Ba