Estamos sofrendo com a segunda onda da pandemia que vitimou mais de 300 mil pessoas em todo pais, somente em Jaguarari 24 pessoas perderam sua vida. Em meio a restrições de locomoção, fechamento de comércio e consequentemente a fome de muitas famílias, qual foi à ajuda dada pela prefeitura de Jaguarari? Desde o inicio do ano nenhuma cesta básica foi entregue, pelo contrario, algumas famílias receberam um kit merenda composto por 3 bananas 2 laranjas e 1 maçã doado pela Secretaria de Desenvolvimento Social. Uma vergonha, já que o município já recebeu nesses três meses de governo mais de R$ 23 milhões de reais.

Uma serie de contratos feitos pela prefeitura de Jaguarari ao longo desses três meses de governo tem gerado revolta de grande parte da população. A revolta se torna maior porque serviços básicos como atendimento médico nos PSF’s, Hospital Municipal, Centro de Acolhimento Covid-19, abastecimento de água nas localidades acontecem de forma precária. A não prestação desses serviços de forma adequada dava a entender que seria por falta de recursos, mas diversas dispensas de licitações publicadas e propagadas nas redes sociais e o fato de já ter entrado nos cofres do município nesses três meses de governo, mais de R$ 23 milhões de reais mostram o contrário.

Vamos relembrar algumas dessas dispensas de licitações que mostram a forma irresponsável como estão sendo administrados os recursos públicos de Jaguarari. Todo governo tem a marca que identifica a gestão que está à frente do município, porem o valor de quase R$17 mil reais referentes à nova logomarca causou espanto. Poucos dias depois veio à tona a contratação de uma empresa de segurança de festa da localidade de Gameleira que segundo contrato poderá receber por dois meses de contrato o montante de R$480 mil para fazer a seguranças dos prédios públicos. Uma dúvida tomou conta da população Jaguarariense, onde foram parar os seguranças patrimoniais do município?

Foi divulgado que a gestão municipal celebrou um contrato no qual pagaria a uma empresa o equivalente a R$16 mil reais para fornecimento de refeições (almoço e janta), para funcionários lotados na Secretaria de Saúde no Distrito de Pilar. Mas o que tem de mais nesse almoço e janta? Tem lagosta e caviar? O contrato para a reforma de uma casa alugada para receber os pacientes do TFD em Salvador, foi orçada em contrato em R$ 32 mil reais. Será que na capital do estado não existem outros locais adequados para essa finalidade?

Você saberia dizer quanto à prefeitura de Jaguarari irá pagar a uma empresa pela aquisição de óleos e filtros automotivos? O contrato tem duração de 5 meses e um valor global de R$ 9.600. Na gestão anterior os carros eram limpos e higienizados pelos próprios servidores na garagem da administração. Sabe quando a atual gestão pagará para que os carros a serviço do município sejam limpos? Uma empresa foi contratada para essa finalidade e poderá receber o total de R$ 9 mil reais por um contrato com duração de 5 meses.

Repercutiu negativamente na imprensa regional o valor do contrato celebrado entre a prefeitura de Jaguarari e uma empresa para a prestação de serviço de locação de veículos. Através de uma dispensa de licitação a empresa poderá receber por três meses de contrato o montante de R$ 875.723,40. Isso mesmo, quase R$ 900 mil reais em alugueis de veículos em apenas três meses. A população incrédula faz duas perguntas: Onde estão esses carros que ninguém vê? Quantos carros poderiam ser comprados com este dinheiro? Será que esse contrato vai ser aditivado?

Por fim foi divulgado nesta semana, mais um absurdo, um novo contrato no valor de mais de R$ 4.200 reais para a contratação de um carro de som com a finalidade de divulgar as ações de governo no distrito de Pilar. Será se pra sede e distritos, serão contratados mais carros de som? Mas pra que a contratação de carro de som se não existem ações voltadas à população?

O que mais causa estranheza é o silencio dos vereadores. Será se eles não estão vendo ou estão de acordo? Será se eles não estão vendo esse gasto desnecessário enquanto a população vive sofrendo a mingua? Esperamos que o legislativo faça a sua parte e fiscalize as ações do poder executivo ao invés de se fazer de cego e compactuando com esse esbanjamento de dinheiro público. Coitada da cidade de Jaguarari, pobre cidade rica!