por Lucas Arraz

Fragilizada, oposição na AL-BA deve se unir e votar nova presidência da Casa em bloco

Foto: Sandra Travassos / AL-BA

A redução na bancada de oposição da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) deve unir os deputados estaduais da minoria em torno de um único nome para a presidência da Casa na próxima legislatura. O bloco ainda espera o fim do segundo turno das eleições presidenciais para acirrar o debate sobre o assunto, mas a atual conjuntura indica um acordo entre os partidos da oposição.

 

“Ainda não sentamos, mas a oposição deverá caminha unida. Saímos fracos da eleição, o mínimo que devemos fazer é caminhar juntos”, defendeu Marcell Moraes (PSDB), líder do bloco PSDB e PSC.

 

Apesar do posicionamento, nomes ainda não estão sendo discutidos com profundidade pelo grupo. Os deputados da minoria aguardam o fim do segundo turno das eleições presidenciais e conversas com os novatos eleitos nas urnas para um posicionamento mais preciso sobre do sucessor de Angelo Coronel (PSD) no comando da mesa diretora da AL-BA.

 

“Para ser sincero só tem especulação sobre o tema até agora. A oposição ainda não se reuniu com os deputados novos. Temos muito o que se conversar antes de consolidar uma opinião sobre a presidência da Casa”, defendeu Sandro Régis (DEM), vice-líder do bloco na Assembleia.

 

A oposição elegeu 16 parlamentares nas eleições estaduais deste ano, mas ainda deve perder mais cadeiras para a base do governador Rui Costa (PT). Os deputados Tum (PSC) e Júnior Muniz (PHS) oficializaram a mudança de posicionamento (veja aqui e aqui).

 

PT e PSD disputam, ainda de forma muito incipiente, a presidência da Casa nos próximos dois anos. Nomes governistas como Adolfo Menezes (PSD) e Rosemberg Pinto (PT) estariam cotados para concorrer a vaga.

Bahia Notícias