Como parte do plano da Coordenação de Endemias de manter ações eficazes que possam garantir um trabalho eficiente na área de prevenção à saúde, mais um mutirão de combate à Leishmaniose foi iniciado nessa quarta terça-feira (dia 18) em Senhor do Bonfim. As atividades que consistem em visitas domiciliares, aplicação de inseticidas e busca ativa por cães e gatos com suspeita da doença, são desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS), através dos Agentes de Endemias e Vigilância Epidemiológica.

Os Trabalhos foram iniciados no bairro Santos do Monte, devido à notificação de um caso de Leishmaniose Visceral Humana, o que requer medidas preventivas na localização em que este foi registrado.

Durante as visitas, os agentes de endemias adentram os domicílios para orientar moradores sobre como evitar a proliferação do flebotomínio (mosquito transmissor da doença). Os profissionais ainda vão ingressar em imóveis inabitados que estão sob a responsabilidade de imobiliárias e casas abandonadas ou fechadas.

Caso seja necessário será realizado nos domicílios o chamado ‘bloqueio químico’, que consiste na aplicação de inseticidas. A medida é eficaz apenas para o inseto adulto, o que reduz a chance de contato do mosquito transmissor com a população.

Para este trabalho, a contribuição da população é indispensável, já que diferente da estratégia adotada no combate à Dengue, Zika e Chikungunya, para o caso da Leishmaniose é preciso arrastar os móveis da casa, por exemplo. “É um trabalho tranquilo e todos os agentes estão preparados. Contamos com o apoio dos moradores”, afirmou o agente Everton Rene.

Ainda haverá coleta de sangue dos animais com suspeita da doença, para diagnóstico e adoção de medidas cabíveis.

Além dessas atividades os agentes estarão distribuindo material educativo ainda serão levadas às escolas, Ceims (Centros de Educação Infantil com a intenção de alertar sobre a ocorrência do caso na região, os sintomas da doença em humanos e animais, além dos serviços oferecidos para diagnósticos e tratamentos.

Sobre a Leishmaniose – Uma doença infecciosa, a Leishmaniose é caracterizada por febre de longa duração, aumento do fígado e baço (hepatoesplenomegalia), perda de peso, fraqueza, redução da força muscular, anemia e outras manifestações. Pessoas residentes em áreas onde ocorrem casos de leishmaniose visceral, ao sentirem esses sintomas devem procurar o serviço de saúde mais próximo a sua casa o quanto antes, pois o diagnóstico e o tratamento precoce evitam o agravamento da doença, que pode ser fatal se não for tratada.

A transmissão acontece quando fêmeas de insetos flebotomíneos infectados picam cães ou outros animais infectados e depois pica o homem transmitindo o protozoário Leishmania chagasi. Os mosquitos são pequenos e têm como características a coloração amarelada ou de cor palha.

Os insetos se desenvolvem em locais úmidos, sombreados e ricos em matéria orgânica: folhas, frutos, fezes de animais e outros entulhos que favoreçam a umidade do solo. As formas adultas abrigam-se nos mesmos locais dos criadouros.

A melhor forma de combater é a prevenção, com apoio da população com a higiene e manejo ambiental, através da limpeza periódica dos quintais, retirada da matéria orgânica em decomposição, destinoadequado do lixo orgânico, limpeza dos abrigos de animais domésticos, entre outros.

Combater a Leishmaniose é dever de todos, colabore, faça sua parte!