Justiça Federal suspendeu as atividades e o atendimento ao público marcados para o dia 10 de maio, quando Lula ficará frente a frente com Moro.

A Justiça Federal de Curitiba decidiu fechar as portas da sua sede e suspender todas as atividades na próxima quarta-feira, dia 10 de maio, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será interrogado pela primeira vez pelo juiz federal Sergio Moro na ação penal em que é réu por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP).

Segundo decisão da juíza federal diretora do foro, Gisele Lemke, só os diretamente envolvidos no caso poderão acessar o prédio que fica no bairro Ahu, em Curitiba — para isso, deverão enviar os nomes para a direção do tribunal que os encaminhará à Polícia Militar. Será barrada a entrada de outras pessoas — juízes, advogados, servidores, estagiários e o público.

“Suspender o atendimento ao público e os atos e prazos processuais dos demais processos no âmbito da Subseção Judiciária de Curitiba, no dia 10 de maio de 2017”, diz o artigo 1º da portaria nº 744, baixada nesta quarta-feira.

A precaução foi tomada por causa dos protestos a favor e contra Lula que devem acontecer nas imediações do prédio. Carreatas estão sendo organizadas para levar militantes ao local. Na portaria, a juíza escreveu que levou em conta a “notícia de diversas mobilizações de movimentos sociais”, a estratégia montada pelas Polícias Militar e Federal e “a necessidade de garantir a segurança do público interno e externo”. Casos urgentes deverão ser encaminhados ao plantão judicial, que estará funcionando.