Entre os alvos, estão dirigentes da siderúrgica, advogados e conselheiros do Carf, ligado ao Ministério da Fazenda; eles devem responder por corrupção, lavagem de dinheiro e tráfico de influência.

Revista Veja

Policiais chegam à sede da PF em Recife (PE) com malotes de documentos apreendidos - Polícia Federal deflagra mais uma etapa da Operação Zelotes na manhã desta quinta-feira (25). O alvo da vez é o grupo Gerdau
Policiais chegam à sede da PF em Recife (PE) com malotes de documentos apreendidos – Polícia Federal deflagra mais uma etapa da Operação Zelotes na manhã desta quinta-feira (25). O alvo da vez é o grupo Gerdau(Guga Matos/JC Imagem/Folhapress)

A Polícia Federal indiciou dezenove pessoas por corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e tráfico de influência, no inquérito da Operação Zelotes que apura o envolvimento da siderúrgica Gerdau no esquema. Entre os alvos, estão membros da diretoria da empresa, advogados e conselheiros e ex-conselheiros do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Os nomes não foram divulgados. Os indiciamentos constam do relatório final da 6ª fase da Zelotes, que foi encaminhado à Justiça na última sexta-feira.

Os investigadores suspeitam que a empresa tenha tentado sonegar até 1,5 bilhão de reais por meio de lobistas que pagavam propina no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Em fevereiro deste ano, quando a 6ª etapa foi deflagrada, o CEO do grupo, André Bier Gerdau Johannpeter, filho do empresário Jorge Gerdau, chegou a ser levado coercitivamente para depor na Polícia e escritórios da empresa foram alvo de mandados de busca e apreensão.

Ao autorizar os mandados, o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, afirmou que a Gerdau teve diversos julgamentos favoráveis no Carf, entre 2012 e 2014. O órgão, que é vinculado ao Ministério da Fazenda, tem a função de julgar recursos de empresas multadas na Receita Federal. A PF apura se essas decisões foram tomadas mediante pagamento de propina a agentes do Carf, que teriam recebido o dinheiro de lobistas subcontratados pela Gerdau.

Segundo a PF, o relatório tem 176 páginas e está “fartamente documentado” com material apreendido durante o cumprimento dos mandados na empresa. A polícia também apontou que os envolvidos continuaram praticando os crimes, mesmo após a deflagração da Zelotes, em março de 2015.

Em maio deste ano, a Justiça condenou nove réus da Zelotes no âmbito do inquérito que apura a compra de Medidas Provisórias no Congresso para beneficiar montadoras automobilísticas.