No direito de resposta que lhe cabe, e garantido constitucionalmente, o ex-prefeito Carlos Brasileiro informa a este blog que, ao contrário do citado, os documentos mostram que o mesmo falou a verdade em entrevistas a emissoras de rádio.

 

Nas entrevistas concedidas às rádios Caraíba e Rainha, no último dia 11 de novembro, o ex-prefeito negou veementemente ter recebido qualquer benefício ou propina de empresa que vendeu pisos para a construção da Praça Nova do Congresso, em 2008.

 

Quanto ao direcionamento do tipo de material e qualidade exigidos no processo, os próprios documentos comprovam o cumprimento da sua missão como prefeito de ter zelado pelo patrimônio público ao fazer cumprir o que está descrito no edital da obra e no contrato assinado pela construtora, seguindo o que estabelecia o projeto e suas especificidades. Desta forma, foi correto, da sua parte, em não permitir que materiais de qualidade inferior fossem colocados na obra.

 

Fugir do que está determinado no edital e no contrato, assinado pela empresa. Isto sim é crime.

 

O ex-prefeito Carlos Brasileiro informa ainda que não descumpriu nenhuma lei, pois o projeto de construção e a apresentação das contas foram aprovados pelo Ministério do Turismo, e sem ressalvas.

 

Com relação às acusações mentirosas e levianas do empreiteiro, o ex-prefeito já tomou as devidas providências para processá-lo por calúnia, difamação e danos morais. O factoide, criado de forma irresponsável, quase oito anos depois, será devidamente respondido dentro do Estado Democrático de Direito.

 

O ex-prefeito continua firme e comprometido no cumprimento das leis, servindo ao povo de Bonfim com determinação, seriedade e honradez.

 

 

Carlos Brasileiro