pedro                                                                      Pedro Amaro foi inocentado de todas as acusações

Peu                             Dr Pedro Cordeiro responsável pela defesa de Pedro Amaro no Pará

As investigações da Policia federal, como toda a Policia em geral, nem sempre os que os mesmos afirmam perante a Imprensa, nem  tudo se confirma na hora do julgamento de um processo criminal, temos o caso do Empresário Bonfinense  PEDRO AMARO DA SILVA JÚNIOR, a qual teve sua prisão decretada, pela Justiça Federal  de Marabá-PA, a pedido da Policia Federal de Marabá-PA, na Operação Quebrando a Banca, com a prisão temporária de 05 (cinco) dias, foi de certa forma exposto nos meios de comunicações , sofreu bastante ele e sua família e amigos,  isso ocorreu em meados de dezembro de 2011, nesta semana, o mesmo, fora submetido a julgamento, na Justiça federal do Pará, e foi declarado “INOCENTE”, a mais de 03 (três) anos, sofrendo a prepotência de um processo criminal, que no final, fora julgado improcedente todas as acusações, Pedro Amaro, foi acompanhado de seu advogado, o criminalista DR. Pedro Cordeiro,  em conversa como nosso Blog, o mesmo comemorou e nos disse, “Deus fez justiça, estou me sentindo aliviado, pois nunca cometir qualquer algo ilícito e afirmou que irá processar a União, pelas conseqüências sofrida por este e sua família ”, disse Pedro Amaro.

Veja matéria da época do fato:

Operação Quebrando a Banca: Bonfinenses foram presos pela polícia federal do Pará

O delegado da polícia federal  da cidade de Marabá, no estado do Pará, Dr Antônio Carlos Beabrun, acaba de divulgar para a imprensa bonfinense, os nomes de pelo menos dois integrantes de uma quadrilha especializada em  explorar máquinas do tipo caça niqueis e musicais.

A operação foi iniciada no inicio deste mês, e segundo a polícia federal, Sr do Bonfim, era o local onde se fabricavam as máquinas.

Tudo começou, conta o delegado, quando os telefones de dois bonfinenses foram grampeados. Do Pará, na cidade de Marabá, Francisco Farias Neto, falava frequentemente ao telefone com Pedro Amaro, um empresário bonfinense que explora o comércio de máquinas musicais.

A troca de confidências, entre os bonfinenses levantou as suspeitas da policia federal. Em Marabá, de posse de um mandado de prisão preventiva, agentes da federal conseguiram prender Francisco Farias Neto, que explora o comérico ilegal de máquinas do tipo caça niqueis. Francisco, revelou aos policiais que recebe com frequencia peças para reposição das máquinas, e que, tais peças saiam de Bonfim.

De posse de um mandado de busca e apreensão, agentes da polícia federal, estiveram em Sr do Bonfim, e fizeram uma vistoria da residência de Pedro Amaro. Os agentes levaram computadores e agenda pessoal do empresário bonfinense, apontado por francisco Farias Neto, como o grande distribuidor de peças de recomposição.

O delegado, imediatamente solicitou da justiça paraense pedido de prisão  tempóraria  em desfavor de Pedro Amaro. O empresário, foi apresentado por seu advogado e imediatamente foi encaminhado para a carceragem da PF em Marabá. Amaro ficou preso durante cinco dias.

Contra ele, pesa apenas, segundo informou o delegado, o fato de explorar máquina musical sem repassar os direitos autorais das Músicas, Pedro Amaro vai responder em liberdade, e foi aconselhado a regularizar seus serviços, o que segundo informam, está sendo providenciado.

Já Francisco Neto, é apresentado pela policia, como  o líder da quadrilha. A s investigações vão continuar, segundo o informou o delegado.

 

Fonte: Walterley Kuhin