Camara-pindoba

Na sessão da última sexta feira 25/09, o Plenário da Câmara de Vereadores de Pindobaçu decidiu por 5 votos contra 4 , finalizar a CPI que investigava uma licitação do transporte escolar em 2013 com suspeita de fraude no processo e de desvio de recurso com pagamentos superfaturados e até indevidos.

O prazo de funcionamento da CPI que venceu no final de agosto sem a conclusão dos trabalhos e sem ouvir o diretor da empresa de transporte ganhadora do certame, como também o prefeito e Secretário de  Administração da época. Um requerimento de autoria de Vereador Carlos José (Careca) tramitava na Casa a quase 30 dias foi colocado em votação, e depois de mais de duas horas de discurso prós e contras, a votação acabou por sepultar sem conclusão a investigação. Parece que nesse prazo as pizzas foram preparadas.

Votaram favorável a requerimento pedindo mais prazo para a CPI os Edis, Carlos José – então presidente da CPI-, Josina, Jairo e Henrique

Votaram pelo fim da investigação os Edis Gil do Cajueiro, João da Motinha, Eri Santos, Nazinha e Jau de Isabel.

O Presidente da Câmara Júnior Hilarião, que só votaria em caso de empate, segundo o Regimento Interno, falou ao site evaldourgente, da preocupação com o compromisso da Casa e nas discussões do plenário  alertavou para os Pares a importância de se concluir com um relatório o trabalho iniciado da CPI, e que se houvesse ou não irregularidade precisaria ser mostrado para a população, porque esse é o papel da Câmara, acompanhar e fiscalizar o trabalho do Executivo.

Desta forma os Vereadores abdicaram de um dos seus deveres para os quais foram eleitos pelo povo que é fiscalizar o executivo em sua execução orçamentária e se aconteceu alguma irregularidade na licitação de mais de 3 milhões de Reais ou se aconteceu pagamentos indevidos, o população jamais saberá por essa fonte, porém a denuncia dessas possíveis irregularidades foi feita  também ao Ministério Público que poderá ou não acatar a denuncia e investigar .evaldourgente.com.br