rp_IMG_1395748990.jpg

A decisão, mantém Brasileiro na página dos candidatos fichas sujas

A novela mexicana envolvendo as contas rejeitadas de Carlos Brasileiro em 2001 pelo TCM e referendada pela Câmara de Vereadores ganhou um novo capítulo. Anulada pela justiça em 2003, as contas reprovadas de Brasileiro tiveram que passar por nova votação. Em dezembro de 2012, sob a presidência de João Carlos Bernardes, o Biro-Biro, por determinação judicial, nova votação foi submetida ao plenário.

Na época, Senhor do Bonfim contava com dez vereadores, e para escapar da punição, o ex-prefeito de Bonfim, teria que contar com pelo menos sete votos. Realizado todo o procedimento, as contas do ex-gestor, foram novamente colocadas em votação. Tavinho, Biro-Biro, Ivan Barbosa, Bel  Carlos do Tijuaçu e Gustavo Miranda, tentaram inocentar Brasileiro e votaram contra o parecer do TCM.

Láercio Muniz, Gerivaldo Sampaio, Helson de Carvalho e Lúcia Cerqueira acompanharam o parecer prévio confiramaram a rejeição das contas de Carlos Brasileiro.

Inconformado com a decisão e alegando perseguição politica, Brasileiro entrou com ação na justiça pedindo a nulidade da sessão. Para os advogados do ex-prefeito, o processo aconteceu de maneira irregular.

Na última quinta-feira, (03), a justiça bonfinense se pronunciou. Acompanhando pedido do Ministério Público, a justiça manteve a votação da Cãmara que terminou 6×4, mantendo a rejeição de Carlos Brasileiro, por entender que quando prefeito em 2001, Brasileiro cometeu muitas irregularidades.

O presidente do legislativo bonfinense já foi notificado, o TCM já recebeu a confirmação e mantém a rejeição das contas. A decisão cabe recurso.