Foto: Divulgação

Presidente Dilma Rousseff

A presidente Dilma Rousseff enfrentou nesta sexta-feira, 25, um protesto contra a Copa do Mundo em uma cerimônia na qual entregou máquinas financiadas pelo PAC 2 a prefeitos paraenses em Belém (PA). Seu discurso foi interrompido por três vezes por gritos como “não vai ter Copa” e ainda “da Copa, da Copa, da Copa eu abro mão / eu quero é dinheiro para saúde e educação”. Outra parte da plateia, no entanto, rebateu as críticas com frases de apoio à presidente. O evento era patrocinado pelo próprio Palácio do Planalto. Em cerimônias como essa, a plateia é toda composta por convidados do governo federal. Eram cerca de 20 manifestantes que gritavam contra a Copa, e incluíam servidores públicos da Universidade Federal do Pará, do Incra e do Judiciário. Os gritos começaram assim que Dilma chegou ao evento. Tão logo foi anunciada sua presença, ela foi saudada por parte da plateia pelo grito de “olê, olê, olê, olá, Dilma, Dilma!”. Quando o grito cessou, vieram os protestos contra a Copa, reforçados por faixas com os dizeres “técnicos grevistas”, de um sindicato do Judiciário em greve, e “SOS. Incra”. Os protestos foram rebatidos por outros presentes, que repetiram a saudação inicial à presidente. Quando o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, começou a falar, o grito contra a Copa voltou – e a resposta também. Leia mais no Estadão.

Fernando Gallo, Estadão