bites 2

Professor aposentado da Universidade do Estado da Bahia, ingressando nesta Autarquia em 1985, através do primeiro concurso de professores realizado nesta Universidade Estadual; professor fundador da então Faculdade de Educação do Estado da Bahia (FAEEBA), do Campus I; primeiro diretor eleito da então Faculdade de Educação de Senhor do Bonfim (FESB), sinto-me como se estivera na ativa,às vésperas de um pleito eleitoral que promete ser um dos mais acirrados dos últimos tempos, em vista à  definição de quem dirigirá a UNEB a partir dos próximos meses.

 

Chama-nos a atenção que  pela primeira vez na história da Uneb, disputam a reitoria dois candidatos oriundos do interior, superando-se o tradicional privilégio a candidaturas da capital ou de grandes campi: Prof. José Bites de Carvalho vem de Senhor do Bonfim, norte da Bahia, e Profa. Adriana Marmori vem de Barreiras, oeste do Estado. Há de se reconhecer o olho clínico do atual reitor, que foi buscar no interior do estado, em espaços unebianos, professores que ele percebeu como capazes de desenvolver um gerenciamento competente de pro-reitorias: Profa. Adriana Marmori, que continuaria o trabalho por ele iniciado, de articular a Pro-reitoria de Extensão, dando apoio e fomentando o diálogo Uneb/Movimentos e Instituições Sociais; e Prof. José Bites, que dirigiria uma pro-reitoria que ainda concentra os maiores esforços da Universidade, já que está voltada à oferta do ensino universitário.

 

Os dois slogans, elementos geradores de discursos eleitorais, parecem convidar o debate para os problemas internos à Universidade do Estado da Bahia: “gerenciamento humano” de um lado, “ “gerenciamento democrático e participativo” de outro lado. 

 

Embora sejam questões importantes e necessárias, os slogans não dão conta das questões cruciais que sufocam e inviabilizam não só a Uneb, como as outras universidades estaduais: UEFS (Feira de Santana), UESB (Vitória da Conquista), UESC (Itabuna-Ilhéus).  Há de se esperar um debate, propostas e projetos que pautem elementos bem além das querelas e problemas internos, já que na verdade a maior parte desses elementos tem a sua origem e a sua manutenção em espaços alheios à própria universidade, destacando-se ai a ausência de autonomia financeira e administrativa. Não se poderá pensar em uma nova Uneb, ou em uma nova Universidade Estadual, se esta depende as Secretaria de Educação do Estado e da Secretaria de Administração para contratar um professor visitante para os seus quadros, por exemplo… Se não pode resolver as deficiências de docentes nos campi, já que tudo depende de concursos, contratação de pessoal, salários mais condizentes, e isto escapa ao Gabinete do Reitor… Se a sua manutenção, no que há de mais trivial, depende de repasses que nunca chegam, repasses contingenciados todo o tempo pelas Secretarias de Governo do Estado. As questões externas precisam ser abordadas e enfrentadas, sim, de forma eficiente e convincente, mesmo que o candidato ou candidata à reitoria, caso eleito ou eleita, dependa da caneta do governador para tornar-se de fato o reitor da Universidade, pois além do pleito, a eleição só se consolida com o aval governamental.  Quais então, as estratégias das duas candidaturas para dotar a Universidade do Estado da Bahia da Autonomia que lhe é negada atualmente?  Como incorporar de fato ao projeto da Uneb a construção de uma rede efetiva com as outras universidades estaduais, superando-se a solidão atualmente existente?

 

Um outro ponto a exigir coragem e proposta avançada, será sem dúvida o estatuto da “multicampia”, que nunca se exerceu a contento nos espaços onde a Uneb está presente. A multicampia para nós é mais um sonho ou um desejo, eivado de retóricas, que um instituto. Continuamos departamentos isolados, nem sempre articulados, cada um com os seus problemas, dispersando-se forças e iniciativas para manter os campi em seus problemas específicos e fragmentados. Há de se discutir, por exemplo, se a uneb continuará oferecendo os mesmos cursos por ai afora, provocando-se falta de professores em todos eles, de forma recorrente e concorrente: os mesmos problemas de enfermagem, por exemplo, em todos os campi onde esses cursos foram criados.  Não seria mais corajoso e estratégico, concentrar os cursos, por sua natureza, em determinados territórios da Bahia, evitando-se  a dispersão e  a falta de profissionais e infra-estrutura, como ocorre atualmente, em quase todos os campi?

 

Um terceiro ponto que não pode passar em branco em debates e planos da atual campanha será o controle social da universidade, levando-se em conta os contextos onde a Uneb está inserida. Os municípios e territórios onde há campus da Uneb precisam ser inseridos ainda mais no planejamento e ações da universidade, saindo do estágio atual, de meros reivindicadores de cursos de graduação, sobretudo cursos ditos mais “nobres”, a exemplo do disputadíssimo curso de medicina.  A Sociedade organizada precisa ter cadeira e voz nos conselhos locais e territoriais universitários, levando para dentro dos muros universitários as demandas em torno daquilo que realmente o território precisa, fazendo-se valer o óbvio princípio de que a Universidade não pode ensinar o que quiser, a bel prazer e em arranjos e acomodações que atendem mais o espírito visionário de quem dirige do que às reais necessidades e expectativas locais e regionais.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS – Tentamos refletir a partir dos slogans de campanha do candidato Prof. José Bites de Carvalho e da Profa. Adriana Marmori, que se vêm destacando neste início de campanha em vista à eleição de reitor da Universidade do Estado da Bahia; deduzimos que as temáticas escolhidas pelas duas candidaturas podem privilegiar no debate  questões eminentemente internas à universidade; alertamos que as grandes questões internas exigem também uma pauta fortemente  voltada a elementos externos, como a falta de autonomia administrativa, financeira e orçamentária que amordaçam atualmente as universidades estaduais; insistimos na necessidade de se propor uma luta articulada com as outras universidades estaduais; enfim, julgamos também fundamental propostas convincentes em vista à multicampia, que vem sendo desenvolvida  de forma equivocada, fragmentada e sem uma estratégia que institucionalize este elemento de identidade da Uneb.

 

Até aqui, as reflexões de um professor inativo, mas não distante das discussões voltadas ao ensino superior de meu estado, especialmente no que se refere à Universidade do Estado da Bahia.

 

Boa campanha, candidato e candidata!  Boa campanha, Universidade do Estado da Bahia!  A esperança não morre, embora sejamos tentados a repetir com o cantador: “Amanhã pode acontecer  tudo, inclusive nada”.

 

Senhor do Bonfim, Bahia, 25  de agosto de 2013.

Paulo Machado