caem medico

O Ministério Público (MP) em Jacobina apura uma denúncia de que a prefeitura da cidade de Caém teria contratado, entre 2008 e 2010, um homem sem registro no Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb) para atuar como médico plantonista do Hospital Municipal Otto Alencar.

 

O autor da representação ao MP é o atual prefeito da cidade, Arnaldo Filho (PSB), que alega ter descoberto a fraude ao realizar um recadastramento de todos os servidores municipais. “Documentado há comprovação que Marcos Antonio Cruz Silva trabalhou no hospital entre 2008 e 2010, mas acredito que houve atuação entre 2005 e 2011. Havia uma desconfiança porque se recusava a assinar laudos de transferências de pacientes para Salvador alegando ter um problema com o Cremeb”, conta. Segundo o prefeito, pelo menos três famílias se queixam de “negligência médica” após a morte de três pessoas. O nome de Marcos também não é encontrado no banco de dados do Conselho Federal de Medicina. A denúncia será apurada pela promotora de Justiça Rosa Atanázio. O Código Penal prevê prisão de seis meses a dois anos em casos de comprovação do exercício ilegal da medicina.

Informações do Correio.