Uma epidemia de dengue pode ocorrer neste verão na Bahia, segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). “A possibilidade é concreta. A população ainda não está imune ao vírus com sorotipo 4 que tem circulado. A introdução desse sorotipo coloca toda a população em situação de suscetibilidade”, diz a superintendente de Vigilância e Proteção à Saúde da pasta, Alcina Andrade. Dez municípios baianos já estão em estado de alerta, segundo o Comitê Estadual de Prevenção à Dengue. São eles: Salvador, Feira de Santana, Guanambi, Ilhéus, Itabuna, Jacobina, Jequié, Senhor do Bonfim, Serrinha e Teixeira de Freitas. Juntas, estas cidades contabilizam 44,8% dos casos da doença no estado. A secretaria registrou até outubro deste ano 68.414 notificações de dengue, 27 óbitos e 211 casos confirmados da forma grave da doença, a dengue hemorrágica. Houve aumento do número de casos em comparação ao mesmo período nos dois anos anteriores. Em 2010 e 2011, foram registradas, respectivamente, 59.836 e 55.460 notificações.

A Tarde

 

DENGUE UMA PREOCUPAÇÃO CONSTANTE

 

 

No ano de 2012 tivemos, em Senhor do Bonfim, 485 casos confirmados de DENGUE, estes com isolamento do tipo 4. Este é um número preocupante e que pode tornar-se assombro diante da realidade atual.

Nunca é demais lembrar que esta endemia é sempre fruto da não prevenção e da falta de serviços que permitam barrar o processo de reprodução do Aedes Aegypti.

Bonfim tem um grupo de trabalho que honra a camisa que veste, porém aquém das suas necessidades de proteção à população. Há que se dizer que os serviços das endemias, são vastos e de trabalho de campo que briga com a geografia e, desta forma, merece uma atenção frequente.

No primeiro semestre de 2012, Senhor do Bonfim passou por momentos difíceis para fazer bloqueios do mosquito em vários bairros da cidade, culminando com a solicitação de veículo borrifador de veneno feito pela DIRES, o nosso FUMACÊ. O grupo municipal de endemias trabalhou pesado com várias equipes de bombas costais fazendo o serviço casa a casa, em raio iniciado de 50 metros e finalizado por raio de 100 metros. Neste ponto merece citação a coordenação de tais serviços, na pessoa de José Rodrigues de Carvalho, o nosso Zé Andorinha.

Estamos em dezembro de 2012, em fins de governo  e com serviços restritos. Vale aqui chamar a atenção do governo que adentra, buscando imediata solução para essa bomba com data anunciada que se aproxima.

Mais uma vez chamamos a atenção sobre a questão da prevenção: A DENGUE é uma doença da falta de prevenção, da baixa educação populacional e de total interesse das três esferas governamentais, Municipal, Estadual e Federal, portanto uma obrigação constante e eficaz. O não cuidado do hoje representará grandes malefícios para o amanhã, seja do ponto de vista financeiro ou, pior, do ponto de vista social que poderá acometer grande parte da população, inclusive com previsibilidade de mortes.

As 2.080 ( duas mil e oitenta) notificações de DENGUE no ano de 2012 é um número que intranquiliza e merece total atenção e resposta imediata do poder público. Agora é esperar e torcer para que o setor de endemias seja melhor visto pela Prefeitura, concluindo-se por formar equipes suficientes e necessárias para a defesa desta endemia, no mais REZEMOS AO SENHOR.

Humberto Santiago