Comissão investiga denúncia de procedimento irregular em Monte Santo.
Sessão ocorreu na manhã desta terça-feira (30), na Câmara Federal.

Mãe (Foto: Imagem/Globo Brasília)Silvânia se emocinou durante sessão em Brasília
(Foto: Imagem/Globo Brasília)

A dona de casa Silvânia da Silva, moradora de Monte Santo, no sertão da Bahia, que denunciou adoção irregular dos cinco filhos foi ouvida nesta terça-feira (30), na CPI do Tráfico de Pessoas, em Brasília. O caso foi denunciado no Fantástico pelo repórter José Raimundo. Silvânia se emocionou durante a sessão realizada pela manhã, na Câmara Federal.

A mãe baiana denunciou que a ordem de adoção dos cinco filhos partiu de um juiz. Em 24 horas, o então juiz de Monte Santo, Vitor Manoel Xavier Bizerra, destituiu o poder dos pais para entregar as crianças a quatro casais paulistas. Ninguém da família dos meninos estava presente, nem o Ministério Público, informou a mãe. O juiz Vítor Manoel Xavier Bizerra, trabalha hoje na cidade baiana de Barra.

Mãe (Foto: Imagem/TV Globo)Silvânia (dir.) durante a sessão na Câmara Federal
(Foto: Imagem/TV Globo)

O Fantástico de domingo (28) denunciou que há um mês o magistrado não aparece no atual trabalho, no Fórum da cidade de Barra, no oeste do estado. Ele teria pedido afastamento alegando que iria estudar.

De acordo com informações da Câmara Federal, a relatora da CPI do Tráfico de Pessoas, a deputada Flávia Morais (PDT-GO), disse que espera uma resposta para o caso de Silvânia. A comissão, segundo ela, deve dirigir-se ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em busca de uma explicação. A deputada disse que “pode ter havido interesse econômico” na ação irregular. O juiz substituto da Vara Criminal do Fórum da Comarca de Monte Santo (BA), Luiz Roberto Cappio Guedes Pereira, participou e disse que espera uma investigação da Polícia Federal.

Caso
Cinco crianças foram retiradas, pela polícia, da casa dos pais biológicos em junho de 2011, na cidade de Monte Santo, no sertão baiano. Uma menina de dois meses foi levada primeiro. Dias depois, a polícia retornou e levou os quatro meninos, contou a família baiana.

O Conselho Nacional de Justiça informou que o magistrado Vitor Bizerra já está sendo investigado pela Corregedoria Nacional de Justiça por suspeita de envolvimento em um esquema de adoção irregular no estado.

Segundo a mãe, o pai das crianças trabalhava todos os dias e não deixava faltar comida em casa. Mas quando o pai voltou, os filhos já estavam longe.

Desde que o caso aconteceu, os advogados do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente – Cedeca trabalham para trazer as crianças de volta. “O Estatuto da Criança e do Adolescente deixa claro que essas famílias não podem ser condenadas e nem ter seus filhos retirados sobre a justificativa da pobreza”, afirma a advogada Isabela Costa Pinto

Dos cinco filhos de Silvânia e Gerôncio, dois mais velhos estão em Campinas. Os outros foram para Indaiatuba, cidade vizinha.

G1

Compartilhe isso