SAMU REGIONAL DE SENHOR DO BONFIM

 

Prezado Repórter,

 

Vimos a público prestar esclarecimentos sobre o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU Regional:

1 – Verdade seja dita que o serviço de urgência de fato está funcionando com apenas uma ambulância, ao passo esclarecemos que o veículo referido nunca foi doado ao município, até porque o Ministério da Saúde não delega tal poder a nenhuma base regional, caso quem tentou fazê-lo tivesse conhecimento das normativas do Ministério, portanto é inidônea a informação prestada pelo Repórter.

2 – A Secretaria de Saúde em nenhum momento negou a situação precária das sucateadas ambulâncias do serviço, apenas levou ao conhecimento do público no mês de junho que as mesmas passavam por serviços de manutenção corretiva e preventiva sob pena de quebras fortuitas durante os festejos juninos. Infelizmente em Gestões anteriores não realizaram a recomendada manutenção dos veículos sem se quer passar por revisão preventiva e tão pouco  corretiva, em se tratando de ambulâncias que rodam 24 por dia sem parar, acabando com a degradação da frota e culminando na Gestão atual. Hoje já se somam do mês de junho a agosto junto aos serviços autorizados, conforme preconiza o Ministério cerca de R$ 70.000,00 (Setenta Mil Reais) em serviços de manutenção, e lembramos que as viaturas já estão no município a cerca de 4 anos rodando sem interrupção, entretanto, a nossa gestão de forma responsável cobrou aos órgãos competentes: Regulação Central do Estado e do Ministério da Saúde por meio de documento a renovação de toda frota do SAMU, e só agora  obtendo a informação de Brasília que as ambulâncias estão em processo de licitação, e somente então estarão no pátio  do Ministério em meados de novembro. Mais uma vez lembramos que o sucateamento das ambulâncias não é privilégio somente do nosso município, e sim, de todos os municípios polos que possuem bases descentralizadas no Estado e na Federação.

3 – Caro Repórter caso tivesse entrado em contato com a Assessoria da Saúde, já saberia que a Dra. Pollyanna Melo teve que se afastar do comando do serviço por problemas de saúde, a qual se encontra internada em Recife por sua gravidez de alto risco, teria conhecimento que em reunião com o serviço médico e por consenso dos seus colegas foi escolhido o Dr. Fábio Damaceno para assumir a Coordenação Médica da Unidade. Em verdade a falta de médicos que não é nenhuma novidade ou fato novo, também acontece em nossa Microrregião, em todo Nordeste e em toda Nação. Somente investir em serviços sem pensar na mão de obra qualificada sobre cai no colapso atual, discussão que já foi levado pelo Secretário Executivo (Senhor do Bonfim) ao Colegiado de Gestão da Microrregião Norte, tendo em vista a escassez do profissional e a concorrência desleal de mercado com a queima de preço e leilão médico praticado no negócio.

4 – Reafirmamos o nosso compromisso com a verdade dos fatos e colocamos para a população que estaremos no dia 24 de agosto do corrente, discutindo a repactuação dos serviços do SAMU Regional na reunião itinerante do Colegiado de Gestão CIR/CGMR da Microrregião Norte a ser realizada na 28ª DIRES – Senhor do Bonfim, por compreendermos que lá é o fórum das discussões e das tomadas de decisões, afinal o SAMU é regional e não sendo apenas responsabilidade do nosso município. Nesse momento queremos discutir o pacto do serviço por entender que ao ser firmado não deve ser rompido, sob pena de conseqüências irreparáveis aos serviços prestados a população, levando se em conta demora constante dos repasses da contrapartida do Estado que chegou a ficar atrasado por um período de 6 meses a nossa municipalidade,  causando transtornos na manutenção do pagamento em dia do serviço e causando um déficit de R$ 510.500,00 (Quinhentos e Dez Mil e Quinhentos Reais) em nossas contas, tendo a municipalidade a responsabilidade e o ônus de arcar e honrar a remuneração do serviço regional. Há se questionar um pacto que em nenhum momento prévio se pensou no crescimento dos serviços e de suas despesas ao longo e a linha do tempo, pensando apenas no imediatismo de cunho político ou administrativo, e queremos questionar por aqueles que não refletiram e não mediram a responsabilidade de uma regionalização e não pensaram nas causas e conseqüências, sobre tudo também queremos levar a uma reflexão porque será que lá atrás os municípios tiveram o livre arbítrio de apontar profissionais para o serviço e, no entanto, o médico em nenhum momento foi lembrado na composição destas equipes? Porque os municípios da Microrregião apontaram os profissionais da regional e quem paga a conta é o município de Senhor do Bonfim? Porque Bonfim já possuía uma Ambulância de Suporte Avançado – USA e assumiu outra que era da regional? E aqui cabe mais um ponto de interrogação, a segunda ambulância de suporte avançado ficou destinada a cidade de Campo Formoso, e a então ex-gestora de saúde daquele município que é uma pessoa muito competente e compromissada, fez um documento manifestando ao Ministério que não havia interesse daquela municipalidade em ficar com aquele suporte em sua base, e então sabendo que era prejuízo assim se desfez do “pepino”. E porque a então “sábia” gestão de saúde do nosso município de pronto aceitou sem nenhum critério de avaliação e reflexão?

5 – Nobre Repórter o RETROCESSO sim aconteceu, mas, foi no passado e a conta essa sim estamos pagando até hoje, afinal ela tarda mais não falha.

6 – Para não esquecer amanhã sairá da concessionária autorizada em Feira de Santana (BARI) uma ambulância que mais uma vez quebrou, não por falta de manutenção porque todas foram revisadas no mês de junho, mas, por velhice e “caduquice” porque nem mesmo as máquinas são eternas e durará a vida toda. E até a próxima semana o serviço estará recomposto com mais outra ambulância. Todavia em nenhum momento o serviço deixou de funcionar ou causou prejuízo à vida humana, e caso alguém foi parar na frente do serviço para reclamar, talvez porque ainda não entenda ou desconheça o fluxo, o funcionamento e as normativas ministeriais do serviço.

 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA SECRETARIA DE SAÚDE