A eleição municipal em Ibipeba só será realizada para “cumprir tabela”.  No pleito de outubro próximo, os eleitores só terão à disposição o nome  do médico Israel Lélis (PP), filho do ex-prefeito de Irecê Beto Lélis,  como candidato para comandar a prefeitura.

De acordo com o site Líder  Notícias, os ibipebenses cobram a participação de políticos de  oposicionistas no pleito. A insatisfação com a candidatura única na  cidade tem sido motivo de muitas discussões, principalmente nas redes  sociais. Um grupo do Facebook intitulado “Politica Ibipeba”, divide-se  entre os que apoiam a candidatura única e os que defendem o voto nulo.  Os contrários à falta de alternativa para as eleições municipais deste  ano organizam movimentos na internet em favor do voto nulo.

A questão é  que com o advento da urna eletrônica, os votos brancos e nulos  deixarariam de ser computados como votos válidos para fins de contagem  do resultado final. Já o artigo 224, da Lei 4737/65, diz que “se a  nulidade atingir a mais de metade dos votos do pais nas eleições  presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais ou do  município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais  votações e o Tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de  20 a 40 dias”.

O tema é polêmico e divide opiniões. O Supremo Tribunal  Federal já indicou que só se posicionará sobre a possibilidade de  cancelamento da eleição no dia em que ocorrer mais de 50% de votos nulos  em um pleito, fato inédito no Brasil. (BN)