Resposta do Deputado Carlos Brasileiro ao
diretor Administrativo do Hospital Regional

 

 

Levado pelo rancor, pela inveja e pelo gordo salário que recebe da prefeitura ou do Hospital de Senhor do Bonfim, o hoje “amigo” do prefeito, que até poucos meses atrás o chamava de incompetente, mostra na sua mensagem cheia de sentimento político que não está a serviço do Hospital Regional, mas, muito provavelmente, a serviço do seu patrão. Da mesma forma como o agressor pautou a sua mensagem, recorremos ao direito de resposta para informar:

 


01 – É verdade que conversamos com o Sr. Humberto Dantas sobre o hospital. Mas, não é verdade quando afirma que só eu sei pensar. Ele não lembra das nossas ações no Hospital Regional porque suas visitas a Senhor do Bonfim só aconteciam de seis em seis meses ou de ano em ano. Mas, seguindo orientação de vários profissionais de saúde, tão logo assumimos o Hospital Regional contratamos o profissional Wellington, formado em gestão hospitalar, e mais adiante colocamos o Sr. Ivo Santiago, que fez um trabalho belíssimo naquela casa de saúde, reconhecido pela imprensa, pela equipe médica e pela comunidade bonfinense.

 

2 – O agressor mostra desconhecimento e beira a irresponsabilidade quando nega as obras que estão acontecendo em Bonfim, fruto do nosso mandato, como a reforma e ampliação do CSU (R$1 milhão), Recuperação da estrada Bonfim/Igara/Andorinha (R$18 milhões), Início do processo de implantação do Aeroporto Regional (Em fase de pagamento das desapropriações. Obra estimada em R$11 milhões), além de diversas ações na área social.

 

03 – As melhorias do Hospital Regional não aconteceram por culpa do poder público municipal, que recebeu autorização do governador Jaques Wagner em setembro de 2009 – quando da inauguração da Clinefro (Clínica de Hemodiálise), que ajudamos a se instalar em Bonfim -, e passados quase três anos só foi entregue à Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) o projeto arquitetônico, e ainda com erros. Ainda faltam os projetos hidráulico, eletrônico, de oxigenação e outros. Quanto ao asfaltamento de ruas e revitalização de ruas já asfaltadas, estamos cumprindo o nosso dever como deputado e temos fé de que Bonfim será atendida. O agressor diz saber muito de saúde, mas, segundo informações de terceiros, saiu de um Hospital em Salvador por não atender aos anseios da direção daquela unidade de saúde, e mostra desconhecimento quando diz que Senhor do Bonfim poderia ser sede macrorregional da saúde e não Juazeiro. Precisa ler as leis e os normativos que regem o Plano de Saúde do Estado da Bahia e da União, que classifica Senhor do Bonfim como sede microrregional de saúde.

 

04 – Se o nosso agressor ou agressores tivessem ouvido a nossa entrevista com mais atenção e menos inveja, teriam ouvido eu falar que uma das entidades é vinculada ao Hospital Espanhol, que, a nosso pedido, visitou o Hospital Regional meses atrás. Quanto a procurá-lo, por uma questão de ética, sempre que quis tratar do Hospital Regional, nos dirigimos ao gestor municipal ou ao Secretário de Saúde, a exemplo de um Plano de Trabalho para aquisição de equipamentos, no valor de R$200 mil, solicitado há mais de 60 dias, e que até então não chegou na Sesab.

 

05 – Para conhecimento do agressor, o Governo do Estado autorizou há dois anos e nove meses a REFORMA E AMPLIAÇÃO DO HOSPITAL REGIONAL. Dizer agora que não entregou os projetos por falta de recursos municipais é não saber priorizar os investimentos em prol do povo.

 

06 – É verdade que temos profissionais qualificados e comprometidos com o Hospital Regional. Quem bem conhece somos nós, que fomos parceiros por seis anos, e juntos conseguimos grandes melhorias no Hospital Regional. A possibilidade de uma entidade de saúde, com conhecimento em gestão hospitalar, gerir o Hospital Regional, significa valorizar os trabalhadores que lá estão e o seu corpo clínico, e possibilitar novos investimentos e novas contratações. Não deixe que o dinheiro fale mais que a razão. Se o “nobre” administrador acredita ser capaz de ajudar o Hospital Regional, não deixe a vaidade distribuir espinhos no caminho daqueles que sempre se preocuparam com o bom funcionamento desta casa, com a tranquilidade dos seus servidores e o melhor atendimento aos seus conterrâneos.

 

Não precisamos de promessas vazias ou ações eleitoreiras para conquistar a confiança do povo bonfinense. Ela já existe!

 

Não são mensagens como esta, ultrajadas, e com cara de outro autor, que vão diminuir o respeito e a admiração que o povo bonfinense nos tem. A nossa trajetória política sempre foi pautada pela verdade, pelo respeito ao cidadão e às instituições. E o nosso mandato termina apenas em dezembro de 2014. Portanto, qualquer tempo é tempo de apresentarmos projetos, indicações e cobrarmos do governo ações que venham melhorar a vida da nossa gente.


 

Carlos Brasileiro
Deputado Estadual