A seca tem sido vista geralmente como enfrentamento da falta de água e comida, que são os elementos fundamentais à sobrevivência dos animais. Isto se confirmou na recente assinatura de convênio entre o Ministério da Integração e o Governo do Estado da Bahia, No valor de 10 milhões de reais, destinados a água e cestas básicas.

 

Produtores do Norte da Bahia, especialmente os de Senhor do Bonfim, aprofundam a questão e proclamam o “SOS CADEIAS PRODUTIVAS”, elevando, ampliando e aprofundando o nível de discussão do problema da seca. Os criadores Valdeci e Mauricio Cardoso, por exemplo, defendem subsídios urgentes para ração e uma intervenção do Estado, com seus ministérios e secretarias, para que não se consuma a destruição de uma otimização genética que se implantou ao longo de 30 anos e que está ameaçada de desaparecer em dois meses. “A nossa cooperativa, a COOPLEQ, está em vigília permanente sem encontrar ainda o apoio devido, o que poderá resultar no esfacelamento do projeto “Leite na Caatinga”, com produção diária que chegava a quarenta mil litros-dia. Perder este projeto construído a duras penas e de forma determinada será fatal para a economia local, regional e estadual”, afirma o criador Valdeci.

 

Motivado por este drama, o Consórcio de Desenvolvimento Sustentável do Piemonte Norte do Itapicuru estará reunindo no Centro Cultural Ceciliano de Carvalho, em Senhor do Bonfim, na próxima quarta-feira, 4 de abril, às 14 horas, os Consórcios e Territórios do Sisal bem como do Sertão, com seus produtores rurais, técnicos e lideranças, para uma busca de soluções. Estão sendo convidados para o debate e construção de uma agenda de intervenções as Secretarias de Agricultura e de Integração Regional do Estado, os Ministérios de Desenvolvimento Agrário, de Integração  e de Desenvolvimento Social, prefeitos e secretarias de agricultura municipais.