O direito de poder se expressar em forma de crítica para buscar melhorias em um serviço de atendimento ao público , não tem validade na estrutura administrativa da Prefeitura de Sr do Bonfim. Na realidade, o que prevalece é a Lei da mordaça. Ou seja, ou fica calado com o esquema montado, ou deixa o cargo.

Essa triste realidade, infelizmente foi mais uma vez implantada no município. No final de semana que passou, o médico bonfinense Bruno Emanuelli, sentiu isso na própria pele.

Em uma reunião, o médico, na presença do vice-prefeito, Aurélio Soares, da nova coordenadora do SAMU, do Secretário de Saúde, e de outros nomes da área de saúde, fez revelações buscando melhorar o sistema de atendimento da unidade.

Bruno, relatou que existe uma insatifação por parte dos profissionais que trabalham na unidade do SAMU, devido ao atraso do pagamento dos salários, condições inaquedas para exercer as suas funções, ambulâncias paradas por falta de manutenção, e outros, obstáculos que impedem o bom funcionamento do SAMU.

As declarações do médico, foram de encontro com a alta cúpula do SAMU e do sistema de saúde  empregado no municipio. Por determinação do chefe maior, a coordenadora do SAMU, cumprindo ordem de cima, demitiu o médico. Na alegação, os reclames foram considerados impróprios. Ou seja, o errado deve parmancer errado.

Revoltado com a situação, Bruno Emanuelli, entrou através de seu advogado com Ajuizamento de Ação para exibição  e entrega do contrato de trabalho. O médico informa ainda, que a Secretária de Saúde, nega lhe entregar a cópia do tal contrato, o que evidencia mais um conteúdo de pura fraude no sistema corrompido.