Crânio de Clemilda
Está preso na Delegacia Territorial de Jacobina (DT), o borracheiro José Augusto Joaquim da Silva, conhecido como “Cafezinho”, por ter confessado ser autor da morte de sua ex-companheira, Clemilda Oliveira, com quem teve dois filhos.
Segundo a policia o crime foi descoberto quando na tarde desta quinta-feira, 08 uma ossada humana foi encontrada por um pedreiro fazia escavação em uma antiga casa localizada em um terreno na Av. Paulo Souto, onde hoje está sendo construído um novo imóvel.
Ao encontrar os ossos o pedreiro chamou a atenção do proprietário da obra para informar o fato, tendo o mesmo levado o caso ao conhecimento da Policia Civil.

Fêmur da vitima é encontrado pelos peritos
Bastante conhecido no bairro “Cafezinho”, ficou sabendo que uma ossada foi encontrada no local onde antes estava construída sua antiga casa e resolveu procurar um Investigador de Policia, lotado em Jacobina para confessar o crime.

Apresentado pelo investigador ao delegado plantonista, Dr. Damião Lacerda, o acusado confessou tudo e disse em sua versão que matou em legitima defesa.

Cafezinho disse ao delegado que no dia 24 de dezembro de 2008, véspera de natal estava no local onde morava e trabalhava como vigia da empresa Posto de Molas Central, hoje desativada, quando foi procurado pela sua ex-companheira Clemilda que teria tentado matá-lo com uma faca de serra, porém pra se defender, ele teria lhe dado um empurrão,  ela teria caído e morrido em seguida. Para se livrar da culpa ele disse ter enterrado o corpo da vitima em um buraco cavado em um dos quartos da casa onde moraram juntos.

Atualmente Cafezinho é funcionário da empresa Hilla Transportes e presta serviço como borracheiro, é considerado um homem muito trabalhador e acima de qualquer suspeita pelos colegas. A policia foi informada que ele tem dois filhos menores de 14 e 15 anos que moram no povoado de Santa Cruz do Coqueiro, município de Mirangaba.

Após tomar conhecimento do fato os peritos do Departamento de Policia Técnica de Jacobina, acompanhados do medido legista de plantão, Dr. Rômulo Pinheiro, estiveram no local para realizar a exumação do cadáver para encontrar provas do crime.

O caso está sendo acompanhado pela policia civil e será informado a justiça criminal pelo próprio delegado que apura o crime. Fonte: Opovoquersaber.com (Repórter Antonio Carlos)