O famoso “matador” que simulou o assassinato da jovem Erenildes Araújo, conhecida como Lupita (mulher Ketchup) ficou pouco mais de 24 horas preso no complexo policial. O velho conhecido da policia foi detido por estar fumando Crak em companhia do comparsa Genivaldo Leite da Silva, no Beco Fino, e ser acusado de ter furtado objetos de uma residência no centro de Senhor do Bonfim (BA). Carlos Roberto Alves de Jesus (29) foi liberado por volta das 19h de quarta-feira (30).

    Segundo o delegado Felipe Neri, ele foi solto conforme manda a carta magna. “Na nossa constituição no artigo sete, o cidadão só pode ser preso em duas situações: flagrante delito ou  ordem judicial escrita. Neste caso ele não foi preso em flagrante pelo furto, e a droga apreendida por ser de menor potencial ofensivo foi feito um TCO (Termo Circunstancial de Ocorrência) que após assinado, autoriza a liberdade imediata”. Afirmou o coordenador da 19ª  Coordenadoria Regional de Policia do Interior

    Dono de uma ficha  criminal que ultrapassa os limites do estado da Bahia, Roberto Alves, natural de Pindobaçu (Ba), estava desaparecido desde que o caso Lupita teve repercussão nos meios de comunicação. Na delegacia o meliante afirmou que a fama de brigão e por ser  ex – preso da justiça, pode ter motivado a mandante do crime Maria Nilza,  a contratar seus serviços de matador de aluguel.  O acusado ainda confirmou que Luipita, sua amiga de infância, ficou com R$ 240 reais e ele R$ 760 reais pelo pagamento da falsa morte.

 

POR: JEORGE CARVALHO TORRES/ JORNALISTA E RADIALISTA