Na manhã desta sexta-feira o Prefeito Paulo Machado enviou ofício à Profa. Vivianne de Souza Barbosa, Presidente do PC do B  falando da impossibilidade de convivência com o partido, decorrente da reiterada postura do vereador Gustavo Miranda que votou contra praticamente todos os projetos encaminhados ao Legislativo pelo Governo Municipal. O estopim foi a votação contrária ao projeto de lei que permitia ao município estabelecer parcerias com “autarquias, ONGs e oscips” e a pressão feita pelo vereador junto ao ministério público em vista à proibição do leilão de lotes no Parque da Cidade.


Mesmo reconhecendo a caminhada conjunta que o PC do B fez com os partidos aliados nas últimas eleições, e o trabalho realizado sob a direção do Prof. Andreilton à frente da Secretaria de Meio Ambiente, a governabilidade municipal tem sido fragilizada pelas atitudes hostis do vereador, que chegaram a um limite insuportável. Recentemente o governo promoveu uma reunião com o partido e fez-se um acordo de cavalheiros, para que o diálogo se estabelecesse entre o edil e o prefeito, coisa que não se consumou.


“Não posso ser acusado de provocar o rompimento com o PC do B”, afirmou o prefeito Paulo Machado. “Desmembrei a Secretaria de Infra-Estrutura, enfraquecendo-a, e  entreguei ao partido o importante setor de serviços públicos, dei total autonomia ao secretário, valorizei-o todo o tempo e o mínimo que o governo poderia esperar era a afinidade na hora de encaminhar os projetos que o governo julga fundamentais à sua gestão. Vejo, e isto desfaz as minhas dúvidas, que as atitudes conflitivas do vereador não eram apenas suas mas do próprio partido, como afirma a presidente em carta-resposta ao prefeito, ao entregar a secretaria. Diz a Presidente: “As decisões do mandato do Vereador frente aos diversos projetos encaminhados à Câmara sempre foram submetidas ao crivo do partido,  através de ampla escuta à direção municipal e a outros setores ligados à militância do PC do B em Senhor do Bonfim. Em nome da unidade partidária essas decisões sempre representaram a vontade da maioria dos Comunistas em nosso município”. Ora, confirma-se que o partido sempre aprovou a postura do vereador. Por fim, parafraseando a carta recebida, o prefeito precisa zelar também pela unidade do governo. Resta saber até que ponto as atitudes do vereador não foram forçadas por questões eleitorais, não são o desdobramento antecipado de 2012”, concluiu o Prefeito Paulo Machado.