A maior bacia leiteira do semiárido, localizada em Quicé, região de Senhor do Bonfim, estará bastante movimentada nos próximos dias. A cidade receberá entre os dias 18 e 20 grandes eventos, todos voltados à agricultura familiar.

Durante os três dias acontecerá a 8ª edição da Festa do Leite e Feira de Animais, no Parque de Exposições de Quicé, uma realização da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), CPLEQ, COOPLEQ, SEBRAE e Prefeitura Municipal de Senhor do Bonfim, além do apoio e patrocínio da iniciativa privada. A EBDA, empresa vinculada à Secretaria da Agricultura (Seagri), fará exposição das suas ações na região no estande institucional e disponibilizará aos visitantes informações e orientações sobre assistência técnica e extensão rural (Ater).

De acordo com o gerente Regional de Senhor do Bonfim, Ailton de Almeida, técnicos da empresa estarão de plantão informando sobre: inclusão produtiva, utilização da tecnologia de inseminação artificial em bovinos, agroecologia, alternativas de alimentação para bovinocultura de leite no semiárido baiano e projetos para aquisição de financiamentos agropecuários em instituições financeiras.

Na sexta (18), a partir das 8hs, será realizado o dia de campo sobre o cultivo intensivo da palma, no distrito de Sítio do Açude, município de Andorinhas. O objetivo é apresentar a 300 agricultores familiares ações do programa Segurança Alimentar do Rebanho da Agricultura Familiar. A EBDA dará ênfase ao aumento da produção de palma através do sistema adensado, assim como a utilização de reserva alimentar nos períodos de estiagem.

Já no sábado (19), a partir das 8hs, acontecerá o 4º Workshop “Oportunidades e Possibilidades da Bovinocultura Leiteira no Semiárido Baiano”, na escola municipal Judite Ferreira, em Quicé. Serão apresentados o Programa de Segurança Alimentar dos Rebanhos da Agricultura Familiar, O Componente Água na Pecuária Leiteira, e o Uso da Palma na Produção de Leite, pelos palestrantes Marcelo Matos da EBDA, Gherman Garcia da Embrapa, Luciano Almeida do SEBRAE, respectivamente.

Dia de campo

De forma didática e para facilitar o entendimento dos participantes, as atividades do dia de campo serão divididas em estações sequenciais, que abordarão temas como: preparação e conservação do solo; sulcamento e adubação de fundações; seleção de

mudas e plantio; tratos fitossanitários; a utilização do farelo de palma na alimentação animal; corte, pesagem e comparação com o sistema tradicional e até a viabilidade de utilização da palma na alimentação humana. Ao final será oferecido um almoço à base de palma e todos receberão certificado de participação do evento.

De acordo com o diretor de Pecuária da EBDA, Marcelo Matos, o nordeste abriga 93% do plantel nacional de caprinos e ovinos, possuindo 14,6 milhões de cabeças, e a Bahia contribui expressivamente com esses números, com um rebanho de aproximadamente 4,8 milhões de caprinos e 3 milhões de ovinos. Ele acrescenta que é preciso que esses animais possuam alimentos suficientes para se manterem produtivos, mesmo nas épocas de estiagem.

 “É fundamental que o agricultor familiar tenha a cultura de produzir reserva alimentar para seus animais, e essa reserva deve ser consumida, principalmente, nos períodos de seca, principalmente no semiárido, a palma é um alimento rico em carboidrato e muito bem aceito pelos animais, essa prática consorciada com outros alimentos que possuem fibra (capim, sorgo e feno) garante o peso dos mesmos nos períodos de estiagem” comentou o diretor.

O técnico da EBDA e responsável pelas atividades práticas durante o dia de campo, Paulo Roberto, orienta que os agricultores familiares interessados em transferir para suas propriedades essa tecnologia de palma adensada, devem procurar os escritórios da EBDA ou solicitar uma visita dos técnicos em sua comunidade.

“Faz parte de nossas atividades diárias capacitar, de forma gratuita, os agricultores familiares, como também distribuir mudas de palmas mais resistentes às doenças. Aqueles que participares do dia de campo terão a oportunidade de obter todas essas vantagens em um único lugar e de forma intensiva”, garantiu o técnico.

A EBDA, em conjunto com a Embrapa, está produzindo cultivares resistentes à cochonilha do carmim, principal praga que acomete a palma; a partir de 2012 serão distribuídas anualmente cerca de 24 milhões de raquetes aos agricultores familiares baiano para serem plantadas de forma adensada, pois já foi comprovado em experimentos realizados pela EBDA o aumento da produtividade da cactácea. A meta para o próximo ano é implantar duas biofábricas (Feira de Santana e Irecê), 164 unidades didáticas e 33 hectares de palma adensada.