No conceituado grupo de discursão do site Yahoo – Bonfim Groups, formado por Bonfinenses e simpatizantes que discutem temas sociais, culturais e políticos, foi publicado recentemente, por um dos seus membros, uma crítica em tom de desabafo sobre a atenção e o andamento das ações para o fortalecimento da cultura local, o comentário prontamente replicado pelo Gestor Paulo Machado também veio em tom de desabafo, “Queria que vocês viessem governar isso aqui um tempo pra ver se é assim como sonham e rezam”.

Após a tréplica do Membro não há registro da resposta do Prefeito. Além da acusação da falta de pagamentos dos contratos do São João, há também, em tom de ironia, um alerta prévio que parece não ter produzido resultados factíveis.

Um desabafo que expõe, de um lado, o membro que ainda sonha com uma cultura forte e pujante, e do outro lado, um Prefeito marcado por exposições advindas de pessoas que lhe pareceram, em certo momento, próximas. Há uma cumplicidade por parte do membro, um descontentamento e um ressentimento, em uma exposição clássica que parece pulsar no coração de outros que discutem temas importantes para a cidade no grupo virtual.

O grupo de discursão, Bonfim Groups, é coordenado e mediado por bonfinenses. Publicamos na integra a conversa entre o membro e o Prefeito, e tomamos o cuidado de salvaguardar o nome do membro para não expô-lo. Destacamos nos textos, em negrito e itálico, trechos onde há acusações, assim como, fazemos o mesmo na defesa, confira.

 

COMENTÁRIO DO MEMBRO:

 

.

Diz respeito também a quem desrespeita os nossos artistas, usa e abusa deles, e não os retribui. Aqueles que chamam a nossa terra de Capital do Forró e não dão condições de sobrevivência aos seus músicos sanfoneiros e palhaços brincantes; aqueles que se comovem em público mas mantém o coração insensível às necessidades materiais e à dignidade dos artistas, condição básica para a continuidade da festa. Aqueles que deixam faltar recursos para honrar as dívidas da cultura, colocando sempre por último na relação de prioridades quando sebe de antemão que não sobrará dinheiro para realizar promessas. É preciso que haja uma lei que os responsabilize e ampare os artistas e esta é a Lei, pelo menos espero que seja. Vamos ler!

Abraços


RÉPLICA DO PREFEITO PAULO MACHADO:

Em 28 de outubro de 2011-  00:00, Paulo Batista Machado escreveu:

Criticar tudo bem. Mas tornar o azedume e a choradeira pano de fundo todo o tempo, também não.  Nem o meu confessor em tempo de seminário me condenava tanto, homem. Queria que vocês viessem governar isso aqui um tempo pra ver se é assim como sonham e rezam. Rapaz, não há prioridade que resista ao massacre que se vem experimentando nas prefeituras por ai afora, mas deixa pra lá. Paulo Machado, o culpado dos males da cultura bonfinense, ajoelhado diante do inquisidor.

 

TRÉPLICA DO MEMBRO:

Caro Paulo

“Logo eu, bom indivíduo

Cumpridor fiel e assíduo

Dos deveres do meu lar?”

(Chico Buarque, Logo eu, samba antigo dos anos 60)

 

É muito engraçado ouvir/ler isso: “azedume e choradeira todo o tempo”, só rindo. Mas deixa prá lá! Logo eu, o cara mais esperançoso de Senhor do Bonfim, que acredita até em Papai Noel… rsss Tá me confundindo com alguém, caro Paulo. E eu não sou plural, sou um só e falo por mim. Sinto muito se preciso dizer o que disse. Mas é fato. Agradeço a explicação que você não me deu, mas o fez para Jotacê.

Por que a corda quebra sempre do lado do mais fraco? Só queria saber disso. Nenhuma explicação vai resolver a questão pois a gravadora do Trio Bahia não vai aceita-la com fiança, nem o padeiro da esquina, nem açougueiro, nem o pessoal da Grota na feira. Trata-se de uma questão social, respeito ao trabalho e o direito a um tratamento digno.

Acho injusto o seu julgamento para comigo, mas entendo. Você pensa que lhe exponho a um desgaste. É engano. Poderia botar em baixo do tapete. Mas não vai mudar o fato, e os seus contumazes detratores já o expuseram e vão continuar lhe expondo neste mesmo assunto. Mas o que eu faço, malgrado a simpatia por sua pessoa, é em busca de solução não para mim, mas para quem precisa, e com a urgência desesperadora pois estas pessoas não têm folga financeira, poupança ou gorduras para queimar. Exponho uma contradição de base: como chamar Bonfim de capital baiana do forró convivendo com esta situação. Até o marqueting precisa de uma base sólida para se fazer crível. Assim pensando não sou eu que lhe exponho mas a própria contradição.

Que tal reverter a situação e produzir um marqueting positivo, explicando, respondendo a e-mails, esclarecendo, falando com os sujeitos o que se passa, atendendo os seus telefonemas, enquanto corre atrás de uma solução urgente e definitiva? E em 2012? A comissão do São João só serve para intermediar e definir a contratação das grandes estrelas da festa? Não cabe a ela já prever e prover com antecedência soluções de problemas? Você não é responsável sozinho uma vez que tem gente ganhando para produzir a festa. Ficar com a parte boa, prazerosa e rentável, é muito fácil. Mas largar no seu colo os problemas que eles deveriam ter resolvido é mais fácil ainda, e seria muito cruel se esta comissão não tivesse o seu aval.

Não lhe acuso pelos males do destino da cultura de Bonfim. Trata-se de uma cultura da “incultura”, difusa em todos os setores da elite bonfinense, traida até na sigla da secretaria: SEMCULT. O que cobro é determinação de romper com essa cultura da “incultura”, perco o meu tempo, como estou fazendo agora e fiz muitas vezes, para dizer a mesma coisa e sem ver resultados. Não me importo. Como não quero me beneficiar com isso, nem fazer carreira a partir desta bandeira, e não dependo disso para viver, não vou me cansar. Virou uma cachaça da boa! E tomando umas e outras a gente diz o que deve ser dito. E não estou fazendo política provinciana, não tenho partido, sou inteiro na resistência ao assunto que me é caro. Abraço